Teorizando o debatido, debatendo o desconhecido..


Alguém, por favor, acenda a luz!

O show tem que continuar, mas prefiro que seja na clarividade da platéia que o assiste.
Há quem diga não saber quem é, e procura o tempo inteiro teorizar o que não se pode entender, buscando respostas para perguntas truncadas e perguntas para entender as respostas encontradas.
Eu sei quem sou.
Sou minoria, por simples saber que sou, como sou.
Não tenho dúvidas de meu território, tenho a posse do que é meu.
Sou dona de mim e de minhas consequências.
Inconsequências cabidas na minh'alma, de se saber loucura sã.
Sã teoria, sem teoria ser, de se saber ser o que se é.
Teoriza aquele que não vive, mas vive de dar explicações para se reconhecer quem se é.
Eu sou o que sou, sendo eu, não sendo outro, mas Cristo que vive em mim.
A liberdade consiste do se reconhecer ser em si o que é, o que se pensa, o que se vive, arborizando a liberdade do viver quem se é, sendo e permanecendo, permeando sombra no escaldante sol da injustiça, sem justificar fazer o que se faz, simplesmente ser, fazer e acontecer.
Delongas e delongas, para priorizar o prioritário. Teorizar o debatido, não reconhecido, desconhecendo o conhecido, desprezando o entendido, para encontrar o desconhecido.
Brincando de viver, como criança que se entrega às verdades de seus pais, que teorizam vidas vividas, por si e por outrém, para fazer feliz a vida de alguém.
Se acredita que na criança está o futuro. Meu futuro. Seu futuro. Mas creio que meu futuro pertença a mim, tão e somente.
Sou dono de mim, e, por assim ser, o mundo me pertence e eu não pertenço ao mundo...
----------------------------------
Artigo escrito por Carla Lacerda, ela faz parte do grupo Átrios na Missão Forlateza e mantém o blog http://carlinhalacerda.blogspot.com/.

4 comentários:

  1. Menina,

    Fui pregar no Átrios dois dias seguidos e não lembro de ti, mas o importante é o quanto escreves bem.
    Parabéns! Há tempos não leio um texto em prosa tão bom, sarcástico, ácido, revelador, desafiador.
    Escreves muuuuuuuuuuuuuuuito! Persevere nessa arte.
    Obrigada pelo texto.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Oiiii!
    Obrigado pela crítica!
    Lembro de você demais, por sua pregação senti uma vontade imensa em ler "A Historia de uma alma", onde o li logo apos as pregações sobre sta. terezinha! Sua comoção ao falar dela me emocionaram!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Waleska - Noviça 114 de outubro de 2008 13:26

    Muito bom, minha irmã!
    Invista nessa arte!
    Parabéns...
    DEus te abençõe!

    ResponderExcluir