Máscaras


O baile acabou, mas ela ainda está dançando.
O silêncio penetrou, mas ela nem ligou.
Ao se ver só em meio ao que antes era aconchego, a moça titubeou, pediu ajuda
A máscara caiu, o baile já não existia mais, a maquiagem já havia borrado.
Restaram lembranças tristes somente, mas ela estava feliz. Por ser ela mesma, livre de representações.
Sendo ela, não outra.
Sendo singular, não mais plural.
Em meio à luz, a escuridão ficou para trás.
Cheia de incertezas, as seguranças esvaíram-se.
O porto que era seguro se foi...

----------------------------------
Poesia escrita por Carla Lacerda, ela faz parte do grupo Átrios na Missão Forlateza e mantém o blog http://carlinhalacerda.blogspot.com/

2 comentários:

  1. Carlinha,
    Gosto muito dos seus textos porque são vida. Como diz o Pe. Fábio de Melo: chega de rimas e frases feitas, escrevam a vida.

    Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  2. Ow Pablo muito obrigada!! Gosto de extrair o que temos de bom da realidade, pra na vida encontrarmos sentido pra que viver!
    Deus abençõe vc tb! \o/

    Carlinha Lacerda.

    ResponderExcluir